FAMÍLIA… PORTO DE ABRIGO

EO 2021 Opinião | Sónia Gaudêncio, Psicóloga Clínica
  • slider

A família constitui o primeiro e o mais importante grupo social de todas as pessoas, sendo suposto ser a base, a estrutura, o nosso “porto de abrigo”, as nossas raízes.

Famílias ditas tradicionais, famílias monoparentais, famílias reconstituídas, famílias com duas mães ou dois pais, famílias de acolhimento e/ou com filhos adotivos, à partida, todas constituem o nosso primeiro contacto com o mundo. É na família que experienciamos as primeiras trocas de informação e de afeto; fazemos as primeiras aprendizagens; é aí que crescemos e vamos absorvendo valores e princípios que levamos connosco para a vida e passamos, muitos deles, aos nossos descendentes.

A vivência em família deixa-nos marcas (boas ou menos boas conforme as experiências) que podem mesmo moldar a nossa forma de estar na vida e de um dia mais tarde, constituir a nossa própria família.

Daí a importância da família. E todos temos, certamente, uma ideia do que será uma “família ideal”, uma “família perfeita”. Mas, será que isso existe? Dir-vos-ia que não. Todas as famílias são imperfeitas, todas têm momentos menos bons, todas têm problemas e conflitos. É que todas são constituídas por pessoas imperfeitas, na sua condição de humanos, que erram, que falham, que são diferentes uns dos outros. Mas o importante é que na sua condição de “seres imperfeitos” se esforcem para aprender com os seus erros e para se tornarem cada vez melhores, buscando o equilíbrio para a sua família, o bem-estar físico e psicológico, a harmonia e a construção de ligações afetivas saudáveis entre si.

Como no próximo dia 15 de maio se celebra o Dia Internacional da Família, nada melhor do que sugerir algumas atividades que ajudem neste estreitar de laços afetivos e no proporcionar de bons momentos em família que fiquem na memória dos vossos filhos.

O que sugiro que façam?
- Que tal construírem a vossa árvore genealógica? Mas podem fazê-lo de forma original. Deem asas à vossa imaginação. Desenhem ou pintem uma árvore. Pintem as mãos dos mais pequeninos, que serão as pontas dos ramos da árvore e aí coloquem as fotografias e/ou os nomes dos vossos familiares. Ou criem mesmo uma árvore num vaso, com alguns galhos que encontrem na rua e em cada um deles pendurem as fotografias dos familiares.

- Divirtam-se a fotografar um retrato de família, o mais original possível.

- Filmem um pequeno vídeo com a apresentação da família. Aproveitem para falar das características de cada um, da importância que o papel de cada um tem na família.

- Descubram a história por detrás dos nomes da família. Vão à procura das vossas origens. Criem o vosso “Brasão de Família” com aquilo que acham que vos caracteriza.

- Façam alguma atividade em conjunto que sempre vos divertiu ou experimentem algo novo.

- Criem o hábito de fazer “assembleias familiares” para avaliar o que acham que cada um podia melhorar; valorizar e agradecer o que tem corrido bem; planear novas atividades em família; dar sugestões acerca de resolução de problemas ou situações que tenham corrido menos bem e falar abertamente sobre o que cada um pensa e sente.

Cada família tem as suas próprias dinâmicas, as suas "crises”, as suas “forças e virtudes”, mas pode e deve crescer em conjunto, modificar-se e adaptar-se às circunstâncias de vida e ao ciclo/fase que está a viver.

Transforme, diariamente, a sua família no seu “porto de abrigo” e lembre-se que juntos, poderão ser mais fortes! Mas para isso, há que fortalecer os laços familiares, esquecer ou resolver mágoas e ressentimentos e valorizar o essencial… a promoção do bem-estar de todos!

Sónia Gaudêncio, Psicóloga Clínica e Diretora da ESTIMA +

Mais informações: Email | Facebook