CONSCIENCIALIZAÇÃO PARA AS PERTURBAÇÕES DO DESENVOLVIMENTO DA LINGUAGEM

EO 2019 Educação | Fonte: Pin - Centro de Desenvolvimento
  • slider

Recebo com frequência na consulta de Terapia da Fala crianças que pouco ou nada falam, alguns produzem ‘sequências de sons’ mas que só descodifica quem já descobriu o seu significado, logo a maioria das pessoas não entende. Associado ouço pais dizer: “…disseram-me para esperar que passava”, “…. Sugeriram que fosse com ele para a praia que passava. O que há na praia que resolva isto?”, “Já devíamos ter vindo antes? “, “Ainda vimos a tempo?”… entre muitas outras.

Diz o ditado Português: Quem espera desespera… tem algum cunho de verdade se pensarmos o quão desesperante pode ser esperar sem orientação ou propósito. Uma coisa é aguardar munido de informação, esteja alerta para estes sinais, caso não note melhorias dentro de x tempo volte…

Uma aquisição da linguagem aquém do esperado tem repercussões familiares: o tão desejado ouvir: “Papá, Mamã gosto de ti” fica adiado; os familiares e amigos perguntam com frequência: “Não fala? Não sabe dizer o seu nome?”… ao ponto que já se evita estar com pessoas pois já não se consegue ouvir ‘as cobranças’ e os palpites.

Tem consequências a nível de socialização: defendemo-nos desde os primeiros anos dizendo: “Não” ou “É meu!” caso estes ou similares não estejam disponíveis, bem batemos, mordemos…. O que não proporciona fazer amizades.

Traz dissabores nas festas do jardim-de-infância e da escola, porque não canta as músicas, não tem falas na peça de teatro, não conta que passou frio ou calor, o que comeu ou fez todo o dia na escola.

E não, não se resume ‘só’ a estas, há mais… aprender e escola tem como alicerce máximo linguagem – compreender o que o professor diz; descodificar sons e transforma-los em grafemas; expressar-se e assim responder às perguntas, pedir que lhe expliquem quando não compreendeu… e isto apenas nos primeiros anos, com o tempo a complexidade não para de aumentar.

Logo há o efeito ‘bola de neve’ e as exigências que não param, e essas garantidamente não esperam!

Portanto, perturbações do desenvolvimento da linguagem são raras?
Não, surge em 1 em cada 14 crianças, e irá afetar o desenvolver de amizades e o bem-estar emocional, a alfabetização e as aprendizagens.

Quais são sinais de alerta?
Não há uma causa evidente, no entanto uma criança ou um adulto apresenta dificuldades em se expressar e/ou compreender linguagem.

A perturbação do desenvolvimento da linguagem aparece sempre ‘sozinha’?
Não, pode surgir isolada, mas surge com frequência ‘acompanhada’ por outras perturbações do neurodesenvolvimento.

Para tornar a informação acessível ao público em geral no dia 18 de outubro celebra-se internacionalmente pela terceira vez o dia para a Consciencialização das perturbações do desenvolvimento da linguagem (Ing. Raising Awareness of Developmental Language Disorder).

Artigo desenvolvido por:

Jaqueline Carmona, Terapeuta da Fala, Linguista