PORTO ATRÁS DAS GRADES

EO 2017 Porto e NorteMuseu
  • slider

A Cadeia da Relação do Porto, um pesado edifício no centro da cidade, que demorou cerca de 29 anos a construir e custou 200 mil réis, é hoje um espaço a visitar.

Como entusiasmar as crianças a visitarem um edifício enorme, aparentemente sem grande interesse? Dizendo-lhes que aquela construção enorme e austera já foi uma prisão. E aqui começa o mistério e o gosto pela aventura. Não é todos os dias que se entra em prisões e esta é particularmente interessante de se ver. Toda a sua arquitetura como as janelas, as cúpulas, as grades pesadas podem ser uma grande surpresa. Para além do mais, também é hoje a sede do Centro Português de Fotografia e, por isso, a visita transforma-se numa viagem ao passado, ao tempo em que as máquinas fotográficas não eram digitais nem as fotografias se guardavam no computador.

Entrar em celas, percorrer corredores, olhar para pesadas portas e grades intransponíveis é o aliciante de visitar um estabelecimento prisional com mais de duzentos anos. Desta forma, os mais pequenos vão admirando um edifício que tem um jogo de salas e corredores digno de ser apreciado. Por outro lado, nada como haver boas histórias para atrair a atenção dos mais novos. É que nesta cadeia estiveram pessoas famosas como Camilo Castelo Branco ou o Zé do Telhado. A cela onde esteve Camilo é o local privilegiado para lhes dizer que um dos principais romances da literatura portuguesa “Amor de Perdição” foi ali escrito.

Mas há mais. Já nas alas do Centro Português de Fotografia, o entusiasmo vai voltar a crescer quando visitarem a grande coleção de todos os tipos de câmaras fotográficas. É fabulosa esta amostra, desde as peças grandes, dos primórdios da fotografia, até às câmaras utilizadas para espionagem. Só por isto, já valeu ir uma manhã ou uma tarde até ao Campo Mártires da Pátria, no Porto, e visitar a Cadeia da Relação que muitos ainda não conhecem.