5 CASTELOS PARA UMA VISITA AO PASSADO

EO 2021 Património | Sugestões: Bepanthene Plus
  • slider

Passear em família é das melhores memórias que se pode imprimir nos filhos. Fazer passeios com história é ouro sobre azul, porque além de recuperar momentos passados que ajudam a compreender o presente, há sempre algum acontecimento que faz despertar para a descoberta de tantos outros.

Para quem gosta de destinos medievais, Portugal está no top. De norte a Sul do País, são muitas as atrações que encontramos entre fortalezas e castelos que outrora abrigaram guerreiros e famílias reais. Por isso, têm tanto para desvendar!

Castelo de Guimarães: o berço de Portugal
Começou por ser um mosteiro, mas os recorrentes ataques inimigos conduziram à sua transformação numa fortaleza destinada a defender os monges e fiéis cristãos que ali viviam. Contudo, só 200 anos depois, com a formação do Condado Portucalense, é que o castelo de Guimarães passou a ser digno desse nome. D. Henrique e Dona Teresa, pais de Afonso Henriques, que terá nascido aqui, foram os principais responsáveis pelas grandes obras nesta estrutura arquitetónica, tornando-a maior e mais forte e fazendo dela um verdadeiro castelo. Se Portugal tem um berço, então é este!



Castelo dos Mouros: dos mais emblemáticos
Para os visitantes, a recordação mais intensa que fica de uma visita ao Castelo dos Mouros é a paisagem de cortar a respiração. Apesar de o monumento ser visível desde a vila de Sintra, o acesso ao interior das muralhas é feito por um caminho sinuoso, mas vale a pena o esforço. Do cimo, e se o tempo ajudar, é possível vislumbrar uma enorme extensão de terra que vai desde as encostas da serra até ao Atlântico, atravessando toda a mancha rural entre Sintra e o litoral do concelho, como é o caso da Praia das Maçãs ou do Magoito. Mas é difícil falar do Castelo dos Mouros sem falar do Palácio da Pena. Sobretudo para quem vem de longe, é quase um pecado visitar um monumento sem visitar o outro, dada a sua grande proximidade e diferentes encantos. Ambos despontam no meio do arvoredo, de penhascos pronunciados e pedregulhos colossais, e são dois dos monumentos mais emblemáticos de Portugal.



Castelo de Aljezur: monumento militar
Classificado como Imóvel de Interesse Público, localiza-se num cerro xistoso sobranceiro à vila, de onde se desfruta de uma magnífica vista panorâmica, a nascente sobre a imensa várzea de Aljezur, sobre a zona da Igreja Nova e da Serra de Monchique e a poente sobre o Vale D. Sancho, onde outrora se cultivava arroz e por onde serpenteia a Ribeira de Aljezur até chegar ao mar, na Praia da Amoreira. Edificado no século X pelos árabes, fez parte integrante do sistema defensivo de Silves, durante os séculos XII e XIII, tendo sido o último castelo islâmico a ser conquistado pelos cristãos no Algarve, em 1249, reinado de D. Afonso III, cuja conquista ficou a dever-se aos cavaleiros da Ordem de Santiago, comandados por D. Paio Peres Correia.



Castelo de Almourol: no meio da ilha plantado
Parece saído do reino da ficção, seja de um filme fantástico ou de um livro de banda desenhada – e tudo graças à sua localização, numa pequeníssima ilha a meio de uma zona estreita do rio Tejo. O facto de o castelo só poder ser visitado de barco torna o passeio e a experiência ainda mais extraordinários. Lugar emblemático da reconquista cristã, Almourol está ligado à Ordem dos Templários que, na época, era responsável pela proteção e pelo povoamento desta região. Juntamente com os castelos de Tomar, do Zêzere e da Cardiga, formava a linha defensiva do Tejo. Extinta a Ordem dos Templários, caiu no esquecimento mas no século XIX, graças ao espírito romântico que dominou a cultura e as artes dessa altura, foi restaurado e obteve o aspeto fascinante que hoje podemos apreciar.



Castelo de Castro Marim: sobre a margem direita do rio
Localizado em Castro Marim, esta vila edificada sobre um monte do castelo é umas das mais significativas invocações que a Idade Média introduziu na paisagem portuguesa, na margem direita do rio Guadiana. A vila cresceu, inicialmente, dentro das muralhas do castelo velho, de planta quadrangular, definido por quatro torreões cilíndricos nos ângulos e um pátio interno, com duas portas de acesso, uma a Sul e outra Norte. Dentro do recinto muralhado, situavam-se as ruínas da Igreja de Santiago, primitiva matriz da vila, construída no século XIV, a Igreja de Santa Maria e antiga Igreja da Misericórdia, junto à porta de Armas, que serviu a população até ao século XVI, altura em que a vila começou a crescer para fora do recinto muralhado, significando o aumento de terra firme.



Com o apoio: Bepanthene Plus

Bepanthene Plus creme é um medicamento não sujeito a receita médica, com dexpantenol e cloro-hexidina, para o tratamento de feridas e queimaduras superficiais quando existe algum risco de infeção. Contraindicado no caso de alergia a qualquer dos componentes deste medicamento e no tímpano perfurado. Evitar o contacto com os olhos e mucosas. Leia cuidadosamente o folheto informativo e, em caso de dúvida ou persistência dos sintomas, consulte o médico ou farmacêutico.