5 HÁBITOS PARA PREVENIR PROBLEMAS DE PESO NOS FILHOS

EO 2019 Educação
  • slider

Se praticar uma alimentação saudável e fizer exercício físico, entre outros bons exemplos, o risco de os seus filhos virem a ter excesso de peso diminui drasticamente, concluiu um estudo de Harvard, que elencou um conjunto de hábitos preventivos por parte das mães.

É um dos conselhos mais frequentes que os pediatras dão aos pais: seja um exemplo para os filhos. Se querem que eles criem hábitos de leitura, leiam. Se lhes querem incutir a solidariedade, sejam solidários, e se querem que eles tenham um peso saudável, transmitam-lhes hábitos saudáveis.

Jill Castle, nutricionista infantil, pratica esta regra e disse ao US News que a adoção de cinco hábitos quotidianos por parte das mães pode diminuir, e muito, o risco de as crianças virem a sofrer de problemas de peso. Nada disto retira responsabilidades aos pais, homens, no que diz respeito aos bons exemplos que passam aos filhos.

A especialista cita um estudo recente da Harvard School of Public Health que envolveu mais de 24 mil crianças dos 9 aos 14 anos. Durante um período de cinco anos, 5% das crianças analisadas tornou-se obesa, fenómeno que logo foi associado ao tabagismo, inatividade física e obesidade das mães.

Os pesquisadores detetaram cinco hábitos maternos que protegiam as crianças do excesso de peso e perceberam que, quando praticados em conjunto, o risco de desenvolvimento da obesidade nos seus filhos era reduzido em 75%. “Se as crianças se envolvessem nesses comportamentos, o risco reduzia-se para uns impressionantes 82%”, disse Castle ao US News.

Conheça 5 hábitos saudáveis e eficazes que as mães devem promover junto das crianças:

1. Adote uma dieta saudável
As mães podem aperfeiçoar a sua própria dieta, incluindo mais vegetais, frutas, nozes, grãos integrais, gorduras polinsaturadas e gorduras ômega-3 e reduzindo as carnes vermelhas e processadas, bebidas açucaradas, gorduras trans e sódio.
“Claro que aquilo que as crianças veem os pais comer em casa influencia os seus padrões e escolhas alimentares. No entanto, eles também são influenciados pela pressão dos colegas, pela comida da escola, pelos media, por anúncios e pela fast food”, diz Jill Castle, referindo uma pesquisa segundo a qual as refeições infantis fora de casa aumentaram de 23%, em 1977, para 34% em 2006.

2. Faça exercício regular
Mães que praticaram pelo menos 2,5 horas de exercício moderado a vigoroso por semana reduziram o risco de os filhos virem a ter excesso de peso, diz o estudo da Harvard School of Public Health. Que sublinha que quanto mais exercício elas fizerem por semana mais esse risco diminui.
Jill Castle sublinha que caminhadas rápidas, brincadeiras físicas e tarefas domésticas podem ser consideradas atividades moderadas, ao passo que andar de bicicleta, correr e nadar são exemplos de atividades vigorosas.

3. Mantenha um peso saudável
De acordo com o mesmo estudo, as crianças de mães que mantiveram um peso corporal saudável (definido como um índice de massa corporal entre 18,5 e 24,9) registaram menos 56 por cento de hipóteses de vir a ter problemas de peso em comparação com filhos de mães com um IMC mais elevado.

“Acredito que um peso corporal estável, que permite que uma pessoa viva uma vida saudável e produtiva, é a chave. A dieta e as flutuações de peso não são saudáveis e podem influenciar negativamente a saúde das crianças, aumentando o risco de obesidade e distúrbios alimentares”, diz a nutricionista.

4. Reduza o consumo de álcool
O risco de obesidade foi mais baixo em crianças cujas mães relataram ter um consumo de álcool moderado em comparação com as que se abstiveram completamente. “Isto não significa que deva começar a beber álcool – até porque não havia mães suficientes que bebessem muito para concluir como isso afeta o peso dos filhos.” O consumo moderado de álcool contempla uma bebida por dia nas mulheres e dois no caso dos homens.

5. Evite fumar
Crianças de mães que não fumavam apresentavam um risco 31 por cento inferior a sofrer de problemas às de mães que fumavam. “A genética é poderosa, mas também o ambiente em que a criança cresce. As mães e os pais têm uma oportunidade única de contribuir para a saúde dos filhos, adotando hábitos diários saudáveis”, conclui Castle.

Fonte: Site