MIRÓBRIGA, VILA ROMANA NO ALENTEJO

EO 2018 AlentejoPatrimónio
  • slider
  • slider
  • slider
  • slider
  • slider

Qual é a criança que não gosta dos livros do Astérix? Aproveite esse gosto que eles têm pelas aventuras do pequeno gaulês para lhes mostrar que os romanos não andaram só pela Gália.

As legiões de César também estiveram em Portugal e deixaram por cá muitos vestígios. A proposta que fazemos é a de um magnífico passeio até Santiago do Cacém, às ruínas de Miróbriga, uma antiga cidade romana que se estende por mais de 2 km.

Entre as ruínas dos edifícios de habitação, pelas ruas pavimentadas, é fácil imaginar como a cidade terá sido há vinte séculos atrás. As crianças (e os adultos) vão achar o máximo ver o único hipódromo romano que há em Portugal e imaginar as famosas corridas de quadrigas. Continue esta viagem pelo tempo e descubra vestígios do fórum, da zona comercial, dois templos, habitações, ruas pavimentadas, termas e uma ponte.

Depois de ficar a saber tudo sobre os romanos, à saída de Miróbriga, há outra preciosidade do nosso passado que merece uma visita. Mesmo à beira da estrada, o Moinho da Quintinha é paragem obrigatória. Totalmente recuperado, é possível ouvir as histórias do pão, num lugar onde ainda se mói o milho e o trigo. Os habitantes das zonas rurais ali perto, costumam lá levar o milho e o trigo para moer para depois fazerem o pão caseiro.

Na Praça do Município, mesmo em frente aos Paços do Concelho, está o Museu Municipal. Uma verdadeira surpresa. Instalado no edifício da antiga cadeia, lá dentro ainda se podem ver as celas e as condições muito más em que os presos ali permaneciam. A visita a este museu é, em si, uma outra viagem ao Alentejo da primeira metade do século XX. Pelos corredores da prisão espreitamos uma típica cozinha alentejana, ainda com o borralho aceso, a recriação de um quarto de dormir típico daquela região, com as crianças vestidas com camisas de dormir. Na barbearia antiga podemos ver como o barbeiro também era dentista e na loja do alfaiate só falta provar o casaco domingueiro.

No regresso a casa, as saudades serão muitas deste Portugal antigo.