ALIMENTAÇÃO PASSO A PASSO

EO 2020 Saúde a 4 Mãos | Opinião | Fonte: Farmácias Portuguesas
  • slider
  • slider

O primeiro ano de vida do bebé é muito desafiante para os pais. Esclareça algumas dúvidas sobre a alimentação. Cada caso é um caso e os profissionais de saúde podem ajudar em cada fase do desenvolvimento.

POR HUGO RODRIGUES
Médico Pediatra

A alimentação é uma preocupação para os pais, principalmente quando os filhos são pequenos, em especial, no primeiro ano de vida. Por esse motivo, importa perceber quais são as recomendações mais atuais sobre a introdução dos diferentes alimentos, de forma a otimizar este início de vida, período extremamente importante em termos de crescimento e desenvolvimento:

• Nos primeiros 4-6 meses os bebés devem beber apenas leite, idealmente leite materno. Se há alimento consensual é o leite materno. Tem uma composição sempre adequada às necessidades dos bebés, pelo que é, sem dúvida, a melhor opção para a sua alimentação. Nos casos em que a amamentação não é possível, existem alternativas (fórmulas infantis) adequadas. Um dos cuidados a ter é optar por uma fórmula com baixo teor de proteínas.

• A diversificação alimentar pode iniciar-se a partir dos 4 meses, mas o ideal é ocorrer o mais perto possível dos 6. Não existe propriamente uma idade certa para introduzir os outros alimentos além do leite, mas não se deve fazê-lo antes dos 4 meses. Como regra geral, os 6 meses parecem ser a melhor opção, independentemente do leite que o bebé ingira (materno ou fórmula infantil). Pode começar-se pela sopa ou pela papa, embora a primeira pareça ser a melhor opção. Posteriormente deve introduzir-se a fruta também.

• O glúten deve ser introduzido entre os 4 e os 12 meses em pequenas quantidades. Esta proteína existe no trigo, no centeio e  na cevada.

• A proteína animal deve ser iniciada a partir dos 6 meses: a carne é uma importante fonte de ferro e de proteínas. O peixe pode ser dado a partir dos 7 meses, a gema do ovo a partir dos 8 e a clara a partir dos 11.

• As texturas devem ser treinadas a partir dos 9 meses, pelo menos. Os bebés devem aprender a mastigar até aos 11 meses, pelo que esse treino deve começar precocemente.

• O sal e o açúcar não devem fazer parte da alimentação dos bebés no primeiro ano, exceto os presentes naturalmente nos alimentos.

Como conclusão, gostaria apenas de reforçar que estas são apenas algumas ideias gerais, que podem e devem ser adaptadas caso a caso, consoante as necessidades e vontades de cada família.

POR ISABEL JACINTO
Farmacêutica

O primeiro ano de vida é repleto de conquistas para os mais pequenos e de olhares babados dos pais. E não há razão para menos! Esta é a fase da vida em que mais se cresce, proporcionalmente, e vem acompanhada de grandes desenvolvimentos. É, também, nesta altura que o bebé começa a explorar o ambiente que o rodeia e é o momento adequado para começar a introduzir novos alimentos.

Deve, no entanto, ter-se atenção a alguns fatores:
• É recomendado, sempre que possível, o aleitamento materno exclusivo até aos 6 meses de idade. É o ideal para as necessidades do bebé durante essa fase.
• Recomenda-se, igualmente, continuar o aleitamento até cerca dos 12 meses, com a introdução gradual, a partir dos 6 meses, de alimentos sólidos e semissólidos, como indicado no artigo do pediatra.

A amamentação tem benefícios comprovados, no entanto algumas mães podem estar impossibilitadas de amamentar. Neste sentido, a composição dos leites infantis (fórmulas) tem vindo a ser desenvolvida de forma a que se aproxime cada vez mais à do leite materno.

De acordo com algumas situações específicas do bebé (diarreia, regurgitação, cólicas, entre outras) poderá ser recomendado, pelo médico pediatra, um leite especial, adequado a cada uma delas:
• Bebé com obstipação: leites e fórmulas antiobstipantes, que favorecem o amolecimento das fezes;
• Bebé com cólicas: leites e fórmulas anticólicas ou confort, que apresentam alterações na quantidade de alguns nutrientes mais frequentemente associados às cólicas;
• Bebé com diarreia: leites e fórmulas antidiarreicas, sem lactose, e com uma elevada concentração de eletrólitos (que ajudam na hidratação e reposição de sais);
• Bebé com regurgitação: leites e fórmulas antirregurgitação, com adição de espessantes e redução do teor de gordura;
• Bebé com problemas de digestão: leites e fórmulas digest, com adição de pré-bióticos, entre outros constituintes.

O primeiro ano de vida do bebé é desafiante, mas os profissionais de saúde podem ajudá-lo a cada momento. Não tenha receio de esclarecer as suas dúvidas e, quando der por si, terá um bebé saudável e forte a gatinhar pela casa!