TENHO UM MAESTRO NA MINHA CABEÇA, AS FUNÇÕES EXECUTIVAS

EO 2022 Opinião | Marisa Rosa, Psicóloga
  • slider

Como funciona o cérebro humano? É possível compará-lo a uma orquestra inteira? Que sinfonias consegue tocar?

Vamos imaginar que estamos a assistir a um concerto de uma orquestra e contemplamos o maestro a coordenar harmoniosamente os instrumentos de sopro, os de corda se os de percussão. Na mão direita, ele tem a batuta, que indica o compasso e a velocidade a que todos eles devem seguir, e, com a mão esquerda, expressa o sentimento e a melodia que a música deve exprimir.

Assim, tal como um maestro organiza com fluidez e destreza uma orquestra de forma a escutarmos surpreendentes músicas, também as nossas funções executivas, no nosso cérebro, coordenam e regulam diferentes capacidades que permitem que as nossas ações e pensamentos nos ajudem a cumprir os nossos objetivos.

Todos nós sabemos diferenciar as categorias dos instrumentos musicais, mas nem todos conhecemos as diferentes capacidades das funções executivas. Algumas delas são a memória de trabalho, a flexibilidade cognitiva, a inibição, a organização, o planeamento e a resolução de problemas. Mas o que significam e como nos ajudam?

- A Memória de Trabalho é uma biblioteca de informação recente, que nos permite, por exemplo, lembrarmo-nos das regras dos jogos ou do que a professora nos disse enquanto estamos a jogar ou a fazer os exercícios.

- A Flexibilidade Cognitiva permite-nos mudar a nossa atenção entre as coisas que estão a acontecer à nossa volta e ajustar os nossos comportamentos para dar resposta às nossas necessidades ou aos desafios que nos colocam.

- A Inibição é como se fosse uma borracha que esbate as distrações que nos rodeiam ou um travão para as nossas respostas automáticas, que nos permitem parar e pensar antes de falar ou agir.

- A Organização é a capacidade que nos permite organizar as informações, tarefas ou objetivos num armário que nos ajuda a cumprir as nossas tarefas ou objetivos.

- O Planeamento é a capacidade de fazermos uma grande agenda da nossa vida, e de organizarmos os nossos passos para ser bem-sucedidos nas tarefas ou objetivos que temos ou que nos são propostos.

- A Resolução de Problemas consiste em criar uma representação mental da situação e do objetivo, com o intuito de determinar quais as ações necessárias para o atingir.

Para que o maestro seja bem-sucedido e reconhecido em todo o país ou no mundo, precisa de treinar muito e de ser acompanhado por músicos notáveis que façam parte da sua orquestra; de igual modo, as diversas capacidades de que falámos só funcionam em conjunto, desenvolvem-se numa ordem progressiva, e de acordo com o desenvolvimento de cada um de nós.

Para ajudarmos a que a nossa orquestra atinja o seu melhor desempenho, podemos implementar algumas estratégias nas atividades de vida diária que vão aumentar o treino e ajudar ao seu desenvolvimento, como:

- Organizar o tempo (utilizar uma agenda ou um calendário para anotar os trabalhos de casa e verificá-lo diariamente);

- Organizar e priorizar tarefas (numa folha de papel branca, escrever, por ordem, os pequenos passos que precisamos de cumprir para realizar uma atividade e quanto tempo é que vamos precisar para cada passo; preparar a mochila da escola, com todos os materiais necessários para as aulas que vamos ter no dia a seguir);

- Planear tarefas no futuro (plano de rotinas);

- Organizar o espaço (organizar o local de estudo, mantendo-o limpo, organizado, e apenas com os materiais de que precisa para cada dia);

- Desvendar enigmas e encontrar diferentes significados para a mesma palavra;

- Procurar descobrir e utilizar estratégias de organização das ideias nas produções escritas (por exemplo, realização de gráficos com as ideias principais e os detalhes de apoio);

- Desenvolver diferentes estratégias de estudo conforme a disciplina e diferenciar as diversas tipologias de perguntas;

- Descobrir e reforçar a utilização de estratégias de memória que funcionam melhor para a criança (por exemplo, há pessoas que memorizam melhor quando escrevem, outras que memorizam melhor quando leem em voz alta ou ouvem outra pessoa a dizer a informação, e ainda outras que memorizam melhor quando veem a informação em esquemas coloridos ou imagens);

- Jogar jogos de tabuleiro com diferentes regras (seguir instruções ou sequências).

À medida que a complexidade escolar aumenta, tornam-se mais evidentes as dificuldades nestas funções junto das crianças e dos jovens. Quando estas lacunas têm impacto na realização das tarefas de vida diária da criança, quer seja na escola ou em casa, poderá ser importante a realização de uma avaliação psicológica compreensiva para despiste de perturbações de neurodesenvolvimento, como por exemplo dificuldades de aprendizagem específicas ou perturbação de hiperatividade e défice de atenção.

Marisa Rosa, Psicóloga

Mais informações: Site | Facebook