A CIDADE QUE FICA PARA LÁ DOS MONTES

EO 2020 Passeio

Bragança é uma terra distante para a maioria dos portugueses, mas pode ser uma excelente opção para um passeio em família. A cidade é tão rica historicamente que merece um fim de semana em Trás-os-Montes.

Bragança é uma cidade muito antiga, cheia de história. Remonta à Idade do Bronze. Por lá passaram romanos, suevos e visigodos. Não é, por isso, de estranhar os muitos monumentos que existem no centro histórico da cidade, como por exemplo, a Torre de Menagem quatrocentista, inserida num dos mais harmoniosos e bem preservados castelos do País.

Na Torre há o Museu Militar de Bragança a merecer uma visita, com peças das Campanhas de África e da 1ª Guerra Mundial, ou o armamento ligeiro do séc. XII. Ver peças destas ao vivo é sempre uma atração para os mais novos.

Há também a enigmática “Domus Municipalis”, um edifício muito bonito que se acredita ter acumulado as funções de cisterna com a de local de reunião dos “homens bons” do concelho. Ao mostrar a cidade aos mais novos, vale a pena destacar a beleza dos edifícios e a sua antiguidade. Vão poder ver uma cidade antiga, muito diferente das cidades de hoje e isso é de valorizar.

Para lá das muralhas, as ruas de pedras gastas guiam-nos por um sem fim de templos, em que se destacam o Convento de S. Francisco, as igrejas de S. Vicente e da Misericórdia e a Sé, com um claustro renascentista e sacristia. Todos merecem uma visita.

Depois, há os magníficos solares, edificados entre os séculos XVI e XVII, que hoje albergam instituições públicas e que nos enchem os olhos pela beleza das suas linhas arquitetónicas. Mas os tesouros monumentais de Bragança não se limitam ao coração da cidade.

Nas redondezas, há verdadeiras joias. Uma delas é o Mosteiro de Castro de Avelãs, um antigo mosteiro da ordem de Cluny. É um monumento único em Portugal do estilo românico-mudéjar. Como não há outro igual no país, é obrigatório ver ao vivo esta magnífica construção possivelmente anterior ao século XII. Também a majestosa Igreja de Santo Cristo do Outeiro é de visita obrigatória para que possam ver o seu esplêndido interior em talha barroca e pintura sacra.

Às crianças, mostre como uma igreja pode ser tão bonita quando toda ela está forrada com pinturas e talha dourada. Também o Museu do Abade de Baçal vale a pena visitar. Trata-se de um museu muito rico em arte sacra, mas também há obras bem mais próximas dos nossos dias, nomeadamente obras de Silva Porto, José Malhoa e desenhos de Almada Negreiros.

Bragança tem um Centro de Ciência Viva. É o local por excelência para, de forma divertida, passar bons momentos em família, aproveitando os módulos da exposição permanente que são dedicados à energia, ao ambiente e à reciclagem, bem como ao património geológico e biológico da região, dominada pelo Parque Natural de Montesinho.

Em pleno centro histórico de Bragança, encontra-se também um museu imperdível, o Museu Ibérico da Máscara e do Traje. É um espaço particularmente atrativo para as crianças que vão adorar ver os vários tipos de máscaras e trajes que os Caretos utilizam nas Festas dos Rapazes.

Neste museu, estão expostas máscaras, trajes, adereços e objetos usados nas “Festas de Inverno” em Trás-os-Montes e Alto Douro e nas “Las Mascaradas de Invierno” da região de Zamora. Trata-se de um espaço único e onde todos vão divertir-se.

Para o fim de semana ser em cheio, vale a pena procurar dormida numa das várias fantásticas casas de campo ou turismos de habitação. Alguns destes locais, a poucos quilómetros de Bragança, além de serem muito bonitos, são verdadeiros paraísos para o descanso.

Se está a pensar visitar a cidade de Bragança este mês, não perca a programação pensada para o Carnaval. A tradição aqui é muito forte e, por estes dias, vai ser vivida com diversas iniciativas.

Destaque para o desfile, pelas ruas, de grupos de Caretos de Portugal e Espanha, agrupamentos de escolas e instituições do concelho, com a tradicional “Queima do Diabo”, no Largo do Castelo, às 18h; e para a recriação da tradição secular do “Diabo, Morte e Censura” no dia 26 de fevereiro, entre as 14h e as 17h, pelas ruas do Centro Histórico.