ERICEIRA, "ONDE O MAR É MAIS AZUL"

EO 2016 Região de LisboaPasseio
  • slider
  • slider

A Ericeira, cuja história está ligada à actividade piscatória, bem como aos primórdios das práticas balneares em Portugal, combina ainda o espírito destes dois ambientes, apresentando-se hoje com infra-estruturas modernas e inovadoras na área do turismo.

Comece por usufruir do ambiente do “Jogo da Bola”, praça central da vila, e provar a magnífica doçaria que as pastelarias, ainda com fabrico próprio, oferecem (as parras do Salvador e as bolas de Berlim da Veneza são de “comer e chorar por mais”).

Siga a pé pela rua sem trânsito até à Praia do Sul, cujo Hotel, com uma original arquitectura e certamente com um dos melhores enquadramentos do mundo, se transformou num ícone desta localidade.

Siga pelas “furnas” e deparar-se-à com o Parque de Santa Marta, antiga estância termal, hoje um jardim, e cujas profundas obras de remodelação que tiveram lugar em 2007, transformaram num espaço de eleição para crianças e adultos.

Desde logo salientamos a esplanada, orientada para o parque infantil, ideia elementar e tão rara nas concepções dos arquitectos e arquitectas deste país. Os equipamentos infantis não são muitos, mas o ringue de patinagem e o mini-golfe permitem completar as actividades.

Para almoçar a oferta é muita e variada, logo ali ao lado e com uma vista inigualável sobre o mar, o melhor peixe da região é oferecido pela “esplanada das Furnas”, onde só o preço não é simpático.

Mais direccionado para as crianças, o conceito original defendido pelo restaurante “Pro family” (localizado na estrada para Torres Vedras, em frente ao Parque de Campismo no piso inferior da marisqueira César) disponibiliza açorda de marisco na versão fast food, mas também o tradicional hambúrguer e massa com queijo e fiambre.

O espaço é amplo e atreito à brincadeira, com um parque infantil no exterior, e, mais uma vez, tem o mar no horizonte o que é sempre agradável.

Da parte da tarde, passeie pela vila e não deixe escapar a “Praia dos pescadores”, no centro da vila, onde ainda sobrevivem algumas embarcações tradicionais, outrora puxadas até ao mar por juntas de bois, hoje com a ajuda do tractor. Lembre ainda que foi desta praia que a família real portuguesa embarcou para o exílio aquando da instauração da República em 1910.