A BACALHÔA NÃO É A MULHER DO BACALHAU

EO 2016 Região de LisboaMuseu
  • slider
  • slider

Junto à Serra da Arrábida, a meia hora de Lisboa, Azeitão promete um dia bem passado na Quinta da Bacalhôa e no Museu do Queijo.

Azeitão é famosa pelos seus vinhos, queijos e tortas de ovos. Com este “aperitivo” que mais poderá faltar para não estarem já no carro a caminho desta pequena, mas muito bonita, povoação junto à não menos bonita Serra da Arrábida? Para usufruir plenamente do passeio, este terá que ser feito a um sábado, já que ao domingo o Palácio da Quinta está encerrado. Atenção, que a visita ao Palácio e à adega deverá ser previamente marcada por telefone. Monumento nacional, a Quinta da Bacalhôa é considerada a mais bela quinta da primeira metade do século XV ainda existente em Portugal. E é mesmo verdade. Não só o edifício, como os jardins que são muito bonitos.

Ainda com as imagens do Palácio na nossa memória, damos um pulo à Quinta da Bassaqueira, a sede da empresa. Ali estão as adegas e as vinhas que produzem os vários tipos de vinho da Bacalhôa. Para os mais pequenos o deslumbramento começa logo na rua com a vista das vinhas e com as estátuas gigantes à entrada do complexo. O núcleo duro da Quinta da Bacalhôa é uma verdadeira surpresa. É que logo no início do edifício, e ainda antes de se chegar à adega propriamente dita, entramos em plena África. É verdade, uma extraordinária exposição de arte africana recolhida pelo Comendador Joe Berardo, na África do Sul, e que pretende homenagear o antigo presidente Nelson Mandela. As crianças vão adorar. É uma galeria digna do filme do “Rei Leão”. Desde animais embalsamados, uma réplica de cubata ao lindíssimo artesanato africano tudo nos leva a sentirmo-nos em pleno continente africano. Depois, seguem-se as adegas e, mesmo aí, há mais arte para ver. Por exemplo, azulejos do século XVI ao século XX a emoldurarem as centenas de pipas de vinho perfeitamente alinhadas na penumbra da adega. A fechar, e depois de termos visto como se produz e se armazena o vinho, outra interessantíssima exposição: “What a Wonderful World”, uma viagem ao ambiente de glamour da Art Nouveau e Art Deco. Peças lindíssimas de mobiliário e pintura da coleção Berardo que vão cativar grandes e pequenos.

Finalmente, e antes de deixarmos Azeitão, à tarde, vale a pena ir até ao Museu do Queijo. É um espaço que mantém a traça original e os objetos utilizados tradicionalmente no fabrico do Queijo de Azeitão. Para as crianças será uma verdadeira viagem ao mundo rural e uma descoberta ao vivo de como o queijo é produzido antes de chegar às prateleiras dos supermercados. Atenção, mais uma vez, a visita deverá ser marcada por telefone.

Ninguém vai a Azeitão sem passar pela casa das Tortas. É obrigatório provar a deliciosa torta de ovos! Mas a própria loja é uma preciosidade com pormenores na decoração que nos transportam para os anos 70. Vale a pena ir lá e deixar Azeitão com um gosto doce na boca.