VIAGEM AO CENTRO DA ILHA

EO 2019 FunchalVisita2ª a Dom.: 10h-18hM/06€ / 8€
  • slider
  • slider
  • slider

Uma visita guiada às Grutas de São Vicente proporciona uma experiência memóravel ao que de melhor a natureza tem para mostrar. Formadas há 890 mil anos, devido a uma erupção vulcânica, as grutas têm muito para contar.

A visita é complementada com a criação de um percurso misterioso, adequadamente iluminado, referenciando-o com música bem escolhida e uma certa iluminação com arquiteturas mágicas e, principalmente, com o imaginário telúrico do Centro da Terra.

Por outro lado, a existência de pequenos lagos de água transparente e de algumas câmaras mais vastas muito bem integradas no circuito expositivo proporcionam imagens surpreendentes e permitem associar sempre às grutas, à força e ao mistério da Natureza e, neste caso, à convulsão vulcânica que deu origem à Ilha da Madeira.

As grutas formaram-se a partir de uma erupção vulcânica, no Paul da Serra, que veio descendo até o mar. A parte exterior ficou exposta a temperaturas mais baixas que solidificou rapidamente, enquanto que por dentro a lava continuava a correr com muitos gases, formando assim uma série de tubos de lava, que constituem as grutas de São Vicente, onde é possível fazer o percurso. Este conjunto de oito "túneis vulcânicos" apresenta um desenvolvimento total de mais de 1000 metros de comprimento, cuja altura máxima varia ente 5 a 6 metros, e é o maior que se conhece, até agora, na Ilha da Madeira.

As marcas deixadas pela atividade vulcânica do último período eruptivo podem ser observadas ao longo de aproximadamente 700 metros de percurso subterrâneo que resultou da escavação, para dar acesso aos vários tubos ou canais naturais que constituem os 1000 metros. Esta escavação ocasionou um desnível máximo de cerca de 19 metros em relação à entrada.

Constituídas por três galerias, sendo a maior o "Lago dos Desejos", os visitantes desfrutam de um espetáculo numa viagem ao interior da Terra, onde podem contemplar-se as estalactites vulcânicas, as escorrências de lava, ou pingos de lava, as acumulações de lava, que representam o fim de uma corrente de lava lenta, e o "bloco errante", uma rocha que é transportada pela lava, mas que devido às suas dimensões e a temperatura relativamente baixa ficou presa no interior de um dos tubos lávicos.

Ao longo do percurso, as plantas dão um ambiente mais místico, sobretudo os fetos, que não tiveram qualquer intervenção humana, mas quer o ar, quer a água e mesmo os próprios visitantes são os possíveis transportadores dessas "sementes".

A água que acompanha os visitantes durante toda a visita é proveniente de nascentes. A sua temperatura varia entre os 12 e 13 graus Celsius e pode ser consumida. Este local é também muito fresco, sendo que a temperatura ambiente ronda os 16ºC.

Na ligação entre as Grutas e o Centro de Vulcanismo, os visitantes podem deslumbrar-se com o espelho de água que está sobre o Centro de Vulcanismo, seguindo-se um corredor que leva ao interior do mesmo.