PINTADO (SÓ) A AGUARELAS

EO 2019 MindeExp. Permanente3ª a Dom.: 10h-18hM/03€
  • slider
  • slider
  • slider
  • slider

O Museu de Aguarela Roque Gameiro, situado em Minde, é o único museu do país totalmente dedicado à aguarela e concretamente à obra do aguarelista português de referência – Alfredo Roque Gameiro. Este museu está aberto ao público desde 2009 e instalado na Casa dos Açores, que é um exemplo notável de arquitetura e Jardim dos inícios do séc. XX, ligado à família do pintor, que ele próprio desenhou.

A sua coleção inclui mais de uma centena e meia de obras de Alfredo Roque Gameiro e das suas filhas, mas também algumas obras de pintores seus contemporâneos que com ele privaram. E como está sediado em Minde, todas as belíssimas obras do museu estão no seu dialeto: Minderico. Note-se que este é o único museu do país totalmente dedicado à aguarela.

Há algumas décadas atrás existiu em Minde a Casa-Museu Roque Gameiro que reuniu esse espólio, mas o fraco enraizamento da instituição na comunidade e a degradação do imóvel onde se encontrava instalada, determinaram o seu encerramento.

O projeto retomado no princípio deste século, nasceu de inúmeras atividades sociais desenvolvidas pelo Centro de Artes e Ofícios Roque Gameiro (CAORG) na comunidade minderica, de maneira a garantir uma recuperação exemplar da Casa dos Açores e jardins, com o objetivo de os transformar numa nova unidade museológica e cultural, ao serviço da população.

A Casa dos Açores apresenta uma grande qualidade artística e construtiva (em que ecoam as ideias inovadoras, na época de Raul Lino, grande amigo de Roque Gameiro) o que oferece as melhores condições para os fins museológicos para que foi adaptada. O jardim foi conservado e melhorado, bem como o torreão romântico neo-mourisco que se levanta no canto oposto ao da casa.

O seu espólio é exclusivamente constituído por desenhos e aguarelas, o que implica por razões de conservação, uma rotatividade das peças expostas e o que suscita, por outro lado, um renovado interesse, por parte do público, na visita ao museu.

Na obra de Roque Gameiro reside uma atitude de humildade e de veneração perante a criação, que transparece nos mais pequenos pormenores, na ternura com que qualquer pedra, qualquer árvore, qualquer reflexo na água é tratado, como que identificando-se com ele.