NATIVOS DIGITAIS: NOVAS TECNOLOGIAS, AMIGAS OU INIMIGAS?

EO 2019 Opinião | Sónia Gaudêncio, Psicóloga Clínica
  • slider
  • slider

Quer lhes chamemos nativos digitais, e-geração ou geração always on a realidade é que as novas tecnologias, os computadores, a internet, os smartphones e as redes sociais fazem parte destas novas gerações e, portanto, as crianças e jovens crescem com elas.


Não adianta por isso, simplesmente proibir ou afastá-los destas novas tecnologias e da internet, porque esta é a realidade e no mundo atual, essas novas ferramentas de comunicação fazem parte das nossas vidas, com tudo o que têm de bom e de mau.


O que se torna essencial é falar abertamente sobre a utilização da internet, do smartphone, etc. e estabelecer e negociar regras. Claro que cada família deve refletir e ter as suas próprias regras e o seu sistema de valores que considerem mais adequados.

Estas novas tecnologias podem até ser utilizadas, ao contrário do que se possa pensar, como meio de aproximação entre pais e filhos, contribuindo para a comunicação entre os mesmos. Por exemplo, a criação de um grupo familiar no whatsapp, para troca de mensagens, imagens ou simplesmente elogios, tornando-se assim uma oportunidade para educar e veicular valores utilizando os canais de comunicação juvenis.

No entanto existe também o lado negativo da internet: a excessiva exposição, o cyberbulling, as burlas, a necessidade obsessiva com os likes nos seus posts ou com o número de seguidores. E é destas ameaças que precisamos  proteger as nossas crianças e jovens para que não advenham daí consequências nefastas para o desenvolvimento psicológico e equilíbrio emocional, entre outras. É importante que saibam selecionar informação; percebam que nem tudo o que está nas redes sociais é realidade (há um nº assustador de perfis falsos a circular na internet); denunciem situações estranhas ou em que estejam a ser vítimas de algum tipo de abuso, aproveitamento, chantagem ou humilhação.  Assim sendo, temos que discutir em família a forma como nos relacionamos com a internet. E hoje em dia a educação dos mais novos para o digital é essencial.

Verifique algumas sugestões:
1- Seja um modelo positivo: se não quer que os seus filhos estejam sempre agarrados ao telemóvel e às redes sociais, cumpra também essa regra.
2- Limite o tempo de utilização da internet: faça-o consoante a faixa etária do seu filho. Distinga contexto recreativo de contexto educativo. Atualmente, muitos trabalhos escolares podem ser feitos com recurso à internet.
3- Alerte os seus filhos para os perigos e cuidados que devem ter com a utilização da net: não partilhar dados pessoais com desconhecidos, cuidado com as fotografias que colocam, a localização, etc.
4-Não permita que seja o seu único espaço de socialização e faça-os distinguir entre os verdadeiros amigos e os amigos ou conhecidos virtuais. Promova interações com os pares não virtuais. Envolva-os numa atividade desportiva, artistica que eles gostem.
5- Cuidado com as comparações: nas redes sociais parece que os outros têm uma vida perfeita, aparecem as melhores fotografias, nomelhor ângulo, recorrem-se a filtros para captar mais likes e mais seguidores. Não devemos deixar que as nossas crianças e jovens vivam em função disso e se estejam constantemente a comparar com os outros ou em permanente competição.
Acima de tudo, parece-me que o importante é promover determinadas competências nas nossas crianças, como autoestima, assertividade e as ligadas à inteligência emocional, para que tenham consigo ferramentas que lhes permita uma utilização saudável destas tecnologias, sem vícios, sem dependências e sem correrem riscos desnecessários.

Não esquecendo que a vida real é aqui e agora e não exclusivamente o que vimos através de um ecrã e ou de uma rede social.

Acima de tudo, os pais devem estar presentes na vida dos seus filhos, tanto offline como online, com diálogo, afeto e disciplina, transformando a utilização das novas tecnologias num aliado e não num inimigo!

Sónia Gaudêncio, Psicóloga Clínica e Diretora da ESTIMA +

Mais informações: Email | Facebook