VAI ADOTAR UM ANIMAL E TEM CRIANÇAS EM CASA?

EO 2015 Saúde | Fonte: Cristina Fernandes
  • slider

Saiba mais sobre as vantagens e os riscos de adotar um animal de estimação.

Se desejar adoptar um cão ou um gato e mantém alguns receios quanto aos perigos que tal possa representar para as crianças que tem em casa, saiba que hoje em dia, é amplamente reconhecido por veterinários e pediatras que do contacto entre crianças e animais, o prato da balança está claramente do lado das vantagens em contraponto com os riscos.


Cuidados Primários a Considerar


Se forem tomados alguns cuidados básicos, os riscos associados podem ser minimizados.

Assim deverá considerar:

Vacinação

Das doenças para as quais os nossos amigos felinos e caninos são vacinados, apenas a raiva e a leptospirose poderão constituir um risco direto à saúde humana.

Tanto gatinhos como cachorros, deverão tomar a primeira vacina às seis semanas ou aos dois meses de idade, fazendo um reforço da mesma, passadas cerca de três semanas a um mês.

Após a primeira vacina, o veterinário assistente entrega-lhe um boletim de vacinas, onde o esquema de vacinação e desparasitação será explicado e datado para que não se perca.


Desparasitação

Embora não partilhemos todos os parasitas internos destes nossos amigos, a verdade é que parte deles são comuns ao Homem e podem causar-lhe danos consideráveis, pelo que se torna muito importante seguir um plano de desparasitação adequado.

Antes de terem as suas crias, as cadelas ou gatas deverão ser desparasitadas. Os cachorros e gatinhos devem depois ser também desparasitados com cerca de um mês, e assim sucessivamente todos os meses até aos seis meses de idade. As desparasitações seguintes serão mais espaçadas e conforme as indicações do veterinário.

A desparasitação externa é igualmente importante, nomeadamente no combate às pulgas, carraças ou piolhos, que se encontram no pêlo do animal e que podem também ser prejudiciais ao ser humano, transmitindo-hes algumas doenças. Lembre-se que as crianças podem passar a mão pelo pêlo do animal levando-a à boca e infestando-se, razão pela qual deverá comunicar ao pediatra da criança que esta se relaciona com animais no seu dia-a-dia.

Para auxiliar neste problema encontra-se no mercado uma gama muito variada de produtos competindo ao veterinário elucidá-lo sobre a melhor escolha para o seu amigo de quatro patas.


Alimentação


Uma boa alimentação será fundamental para o estado de saúde do animal, criando assim um ambiente mais saudável para as crianças que com ele convivem. Tal como nós, os gatos e os cães necessitam de fazer uma alimentação equilibrada. Quando ainda gatinhos e cachorros têm um metabolismo mais acelerado, pelo que precisam de comer mais vezes ao dia (três a quatro vezes em média). À medida que crescem esta necessidade diminui podendo apenas necessitar de comer uma vez ao dia.


Existe no mercado uma gama de rações muito variada, que se adequam em função da idade, porte e raça do seu animal, contendo um equilibrio de nutrientes dificil de alcançar em casa.

Pode optar por ração seca ou húmida. A ração seca tem a vantagem de se conservar durante mais tempo. Caso opte por este tipo de ração, é importante que habitue o seu animal desde cedo de outro modo ele irá sempre preferir comida húmida, e lembre-se ainda que deverá ter sempre disponível uma boa quantidade de àgua para o seu animal se saciar. Quanto à ração húmida, não esqueça que esta será certamente mais dispendiosa devido ao seu elevado teor de humidade.

Higiene

Se tem uma criança em casa é importante que mantenha o seu animal limpo. Os gatos são por natureza asseados, fazendo a sua higiene várias vezes ao dia e só raramente precisam que os donos lhes dêem banho.

Os cães necessitam de um maior cuidado, nomeadamente na questão dos banhos, sendo que as raças de grande porte não precisam de mais de três banhos ou menos por ano. As raças de cães mais pequenos necessitam de banhos de forma mais regular, no entanto, não deverá ultrapassar um banho por mês.

De notar que os cães e os gatos de pêlo comprido, deverão ser escovados regularmente, de forma a manter o pêlo limpo devendo a isso serem habituados desde cedo.

Afeiçoamento

Se tiver um animal em casa antes ou depois do bebé nascer terá de fazer uma integração de ambos para que haja um bom relacionamento entre eles e se conheçam mutuamente. Deverá fazer uma aproximação progressiva e cuidadosa de ambos e seguramente serão amigos em breve.

É importante que explique à sua criança como interagir com o animal sem o magoar, bem como que tenha alguns cuidados com o animal, nomeadamente cortar as unhas aos gatinhos e ensinar os cachorros a não abocanhar as crianças.

Deve ainda considerar que os animais têm diferentes temperamentos, havendo raças mais predispostas a uma relação mais afetuosa com crianças. Poderá e deverá por isso, aconselhar-se antes de adquirir o seu animal de companhia.

A adoção de um animal deverá ser uma atitude tomada em consciência. É antes de mais uma decisão a longo prazo (em média, um cão ou um gato poderão viver entre oito a quinze anos) o que implica um grau de responsabilidade importante, uma vez que este ser vivo se tornará dependente dos seus cuidados.

Deve ainda ter em consideração qual a disponibilidade de tempo e económica que pode investir num animal de estimação, bem como o das suas condições habitacionais e o da existência de alguma susceptibilidade de algum membro da família no que respeita a alergias que podem ser potenciadas pela presença de um animal em casa.

Seja feliz e divirta-se com o seu filho e o seu melhor amigo!


Cristina Fernandes
Dona de animais de companhia,
Mãe,
Médica Veterinária