BEBÉS EM CARRINHOS ESTÃO MAIS SUJEITOS À POLUIÇÃO

EO 2019 Saúde e Ambiente
  • slider

Estudo britânico apurou que a respiração dos bebés assim transportados desenrola-se demasiado perto do chão, onde a poluição é mais perigosa.

Crianças que sejam transportados em carrinhos ficam 60% mais expostos à poluição, indica um estudo publicado na revista Environment International. Porquê? Por estarem mais perto do chão e dos tubos de escape, onde o ar é mais nocivo, sendo certo que os seus corpos são bastante mais frágeis por estarem em desenvolvimento. Os investigadores recomendam aos pais que evitem ruas movimentadas e usem coberturas para os carrinhos, para assim reduzirem a exposição das crianças.

O estudo, levado a cabo pela Universidade de Surrey, Inglaterra, descobriu que a respiração dos bebês que assim são transportados situa-se entre 0s 0,55 e 0,85 metros acima do nível do solo. Como os níveis de poluição são maiores até um metro acima do nível do solo, os bebés ficam até 60% mais vulneráveis à poluição do ar do que os adultos.

Refira-se que a poluição rodoviária contém altos níveis de metais tóxicos, suscetíveis de prejudicar o desenvolvimento do cérebro dos bebés, mas também o seu coração, como disseram os investigadores à BBC.

Prashant Kumar, um dos autores do estudo, foi bem claro: “Eles são particularmente vulneráveis devido aos seus tecidos, sistemas imunológicos e o cérebro, que nesta fase está ainda em construção. Por tudo isso, é extremamente preocupante que estejam a ser expostos a esses níveis de poluição”.

Os investigadores pediram que sejam adotadas mais medidas para reduzir a poluição do ar ou diminuir os seus efeitos, por exemplo através da redução das emissões de veículos rodoviários e do incentivo ao uso de transportes públicos.

Kumar salientou ainda que os pais podem reduzir o risco da poluição para a saúde dos seus filhos se usarem capotas e outros equipamentos que cubram o carrinho do bebé e evitarem zonas críticas, como estradas muito movimentadas, semáforos e paragens de autocarro.

Fonte: Site