AVALIAÇÃO VOCACIONAL: TRAÇAR CAMINHOS!

EO 2017 Educação | Fonte: Akademia
  • slider

A sociedade atual encontra-se em constante mudança, exigindo maior especialização profissional e tornando indispensável que os indivíduos construam o seu percurso vocacional desde tenra idade.

O 9º ano de escolaridade surge como o primeiro momento de escolha para o jovem estudante, que tem de optar nessa altura por uma área onde irá aprofundar os seus estudos/conhecimentos durante os 3 anos seguintes. Neste sentido, a decisão a tomar no final do 9º ano deverá ser consciente e ponderada de forma a adaptar-se o mais possível ao percurso de vida que este idealizou para si.

A organização do itinerário vocacional não deve ser deixada ao acaso, esta deve ter por base as necessidades do meio e os interesses, aptidões, valores e motivações pessoais de cada um (Santos, 2007). A exploração dos interesses vocacionais a par com a análise das suas competências (tarefas privilegiadas nos programas de orientação escolar e profissional) permitem ao jovem desenvolver e consolidar ideias referentes ao mundo do trabalho (Santos, 2007; Tracey & Darcy, 2002) e começar a direcionar as suas opções profissionais.

As dificuldades no processo de escolha vocacional encontram-se muitas vezes relacionadas com a falta de informação, gerando ansiedade e incerteza aos jovens que ainda não se sentem seguros para efetuar uma opção com implicações futuras tão significativas. Outros fatores como a crescente diversidade de cursos e profissões, o desconhecimento do mundo das profissões e a revisão curricular do ensino secundário, são também apontados como causadores de dificuldades de decisão escolar e profissional.

É neste sentido que é pertinente desenvolver, junto destes alunos, programas que lhes permitam explorar as suas competências vocacionais, com o objetivo de desenvolver as suas capacidades de autoconhecimento e exploração (ao nível das suas aptidões, interesses, atitudes, motivações e aspirações), de analisar as oportunidades do mundo social e do mundo de trabalho que os circunda e de o consciencializar das aptidões e habilidades necessárias no exercício de cada profissão.

Embora as escolhas não sejam estáticas e imutáveis, é benéfico que as opções sejam conscientes, informadas e fundamentadas, sendo cada vez mais importante uma avaliação vocacional que permita recolher informação que sustente a decisão vocacional.

A satisfação e a realização profissional são essenciais para a felicidade dos indivíduos. Uma avaliação vocacional adequada facilita a adequação de expectativas de jovens e pais e ajuda a traçar um percurso académico com maior segurança. Este será essencial para um sucesso profissional futuro.


Conteúdo desenvolvido por:
Dra. Catarina Calado (Psicóloga)
Akademia de Tempos Livre