UM PASSEIO À CIDADE AZUL

EO 2017 Região de LisboaPasseio
  • slider
  • slider
  • slider
  • slider
  • slider

Setúbal é uma cidade muito bonita e tão perto de Lisboa.

O rio, o mar e o céu são de um azul intenso e a natureza, praticamente imaculada, é a ideal para um passeio em família com golfinhos, pirilampos, romanos e tudo o mais à mistura. É mesmo de ir!


1 Para que o fim de semana seja mesmo inesquecível, é preciso planeá-lo um pouco. Para isso, nada como entrar em contacto com a Ocean Alive e programar a manhã de sábado, inscrevendo-nos nos fabulosos programas pela cidade que esta organização oferece com o apoio da Câmara Municipal.

2 Um deles é a visita interativa ao lindíssimo Mercado da Cidade (não percam os azulejos). Guiados por uma bióloga marinha e por uma mulher pescadora do estuário do Sado, assistimos a um vídeo explicativo sobre as pradarias marinhas, um habitat muito importante para o choco e para os golfinhos do Sado. Depois, e já andando pelas bancas do mercado, vamos aprender mais sobre o mar graças às mulheres pescadoras que têm histórias de vida fantásticas. Entre histórias e muita sabedoria, imaginem, ainda nos ensinam a amanhar o peixe e no final, cada um recebe uma receita tradicional.

3 Outro programa, não menos fantástico, passa-se a bordo de um dos Galeões do Sal. É neles que se embarca rumo à casa dos golfinhos. Ao longo da viagem, podemos observar como são as paisagens marinhas, os peixes e os mariscos que ali vivem, bem como as estrelas do rio, os golfinhos. Ninguém os vai esquecer. Ao mesmo tempo vamos ouvindo histórias das mulheres pescadoras, histórias com tempestades, peixes gigantes, lágrimas, redes cheias e outras peripécias.

4 Depois de uma manhã tão próxima do mar, nada como um bom almoço de peixe na cidade. O difícil é escolher o restaurante. À tarde, um programa tentador, principalmente para os mais pequenos é a visita ao Museu Giacometti. Instalado numa antiga fábrica de conservas, o museu é uma verdadeira caixa de surpresas. A primeira é a visita à “Mercearia Liberdade” que existia em Lisboa. Está tal como era há mais de 50 anos. Meio a sério, meio a brincar, o guia do museu finge ser o dono da mercearia e recria o ambiente da época, sendo nós os seus clientes. Outro momento bem divertido é quando chegamos à zona da antiga fábrica de conservas. Somos convidados a picar o “ponto” e pegar ao trabalho. O peixe vem da lota e há que amanhá-lo, cortá-lo e prepará-lo para ser colocado nas latas de conserva. Ficamos também a conhecer a Joaninha, uma das muitas crianças que trabalhavam na fábrica, ao pé das mães, a cortarem a sardinha para as conservas. Uma visita inesquecível através da vida da fábrica e das suas inúmeras máquinas e utensílios. Há manequins que recriam as várias tarefas da indústria conserveira.

5 No período do Verão, nas noites de Maio a Junho, por volta das nove horas, há um outro programa super aliciante promovido pela “Ocean Alive”; a noite dos pirilampos. Na Quinta de Alcube, na Serra da Arrábida, faz-se um passeio noturno para observação de pirilampos. Um passeio completamente inédito onde ficamos a conhecer a fabulosa história da vida destes tão simpáticos insetos. Ao mesmo tempo há uma sessão de astronomia com o auxílio de telescópio. Uma noite para ouvir ver estrelas, ouvir lendas e identificar constelações; observação de planetas, nebulosas, galáxias e da lua. Um programa em cheio!

6 Com o chegar da noite, o melhor é mesmo atravessar o Sado até Troia. Os mais pequenos vão achar divertidíssimo atravessar o rio num barco que também leva carros.  Já cansados, ansiamos por um tempo de descanso. Nessa altura, o Troia Resort cai do céu. É um espaço maravilhoso para descansar, ir até à piscina e jantar.  Na maravilhosa península, o ambiente deste resort é verdadeiramente reconfortante.

7 E já que estamos em Troia, não há como não visitar no domingo de manhã as ruínas romanas, bem perto do complexo turístico. São ruínas únicas. É o maior complexo de produção de salgas de peixe conhecido no mundo romano, o que só por si já é extraordinário. O complexo data da primeira metade do século I. É incrível perceber como na época fervilhavam por ali centenas de pessoas num verdadeiro conjunto de construções, perfeitamente organizado, para tirar partido de uma riqueza natural, o peixe. Há duas grandes oficinas de salga, as termas, o mausoléu, a necrópole e o núcleo residencial da Rua da Princesa. Há, ainda, uma basílica paleocristã, só visitável em visitas guiadas, aliás, recomenda-se vivamente a visita guiada já que só desta forma é possível ver os frescos pintados nas paredes da basílica e para as crianças é muito mais apelativa a interação com a guia, uma arqueóloga, do que com os painéis. Depois, em Tróia ou na Arrábida, desfrutem no resto do dia da maravilhosa paisagem e da Natureza. Passem pelo Portinho da Arrábida que é lindíssimo ou visitem o convento, na serra. Bom passeio!

Mais informações:
Ocean Alive: Site
Troia Resort: Site
Museu do Trabalho Michel Giacometti: 265 537 880