UMA VISITA À PISCINA DA RAINHA

EO 2016 Centro de PortugalMuseus
slider

CONDIÇÕES ESPECIAIS
ESTRELAS e OURIÇOS

50% Desconto (Museu do Hospital)

Apresente esta página

A pouco menos de uma hora de viagem de Lisboa, as Caldas da Rainha continuam a ser um local a descobrir. Na cidade não faltam motivos para um dia bem passado.

Diz a tradição que um dia D. Leonor passou pela localidade onde, em poças de águas “santas”, se banhavam enfermos. A rainha, que também sofria de uma doença de pele, banhou-se nas águas milagrosas e ficou curada. Terá nascido, desta forma, o mais antigo hospital termal do Mundo. Foi assim, também, que nasceu o nome de Caldas da Rainha. A cidade fica a menos de uma hora de Lisboa e está situada na bonita zona do Oeste. O hospital foi criado por D. Leonor em 1485. Tem mais de 500 anos. Já merece uma visita!

Este espaço, agora transformado em museu é super interessante, não só para os adultos, mas também para os mais pequenos que, ao vivo, podem perceber como funcionava um antigo hospital. Do rico espólio do Museu do Hospital, vale a pena destacar os instrumentos médicos e científicos utilizados desde o século XVI ao século XX. Mas toda a visita ao hospital, que pretende ser uma experiência, tem o seu auge na ida à piscina da rainha onde se tem a possibilidade de entrar no ambiente termal do hospital e deixar-se envolver pelo calor e cheiro das águas termais.

Depois do almoço, vale a pena usufruir durante uma parte da tarde do esplêndido jardim de D. Carlos I, mesmo ao lado do Hospital. É um espaço verde muito bonito onde se pode brincar na relva, no parque infantil, passear e até andar de barco no lindíssimo lago central. O espaço não podia ser mais aprazível.

Se o almoço for na zona do parque, vale ainda a pena visitar o museu José Malhoa, um riquíssimo espaço de arte que se visita muito bem mesmo com crianças.

À tarde, os mais pequenos vão adorar um pequeno museu que há na cidade e que é pouco usual: o Museu do Ciclismo. Fica ao lado do Parque. A história e as glórias do ciclismo português, com exemplares de bicicletas dos tempos dos nossos avós onde se pode ver também um tandem de dois lugares. Recorde-se que este é o único museu em Portugal com uma exposição permanente sobre o ciclismo.

Antes de regressar a casa não esquecer nem a família nem os amigos que não puderam vir. Na bagagem faz parte da tradição levar pelo menos uma embalagem de Cavacas ou Beijinhos das Caldas para todos.