LENDAS DE SINTRA

EO 2018 Região de LisboaMuseu
  • slider
  • slider
  • slider
  • slider
  • slider
  • slider
  • slider
  • slider

Tantas vezes envolta num nevoeiro espesso, Sintra, rodeada de vegetação e edifícios pitorescos, tem uma atmosfera misteriosa que se entranha logo à chegada. Uma visita ao museu "Sintra Mitos e Lendas" permite-nos mergulhar nos enigmas milenares de uma serra que continua a atrair os apaixonados pelo fantástico e o sobrenatural.

As histórias que se contam sobre Sintra e a chamada Serra da Lua continuam a surpreender quem nunca delas ouviu falar. Se gosta do imaginário romântico e fantástico que envolve esta vila às portas de Lisboa, a visita ao "Sintra Mitos e Lendas" é obrigatória.

Este museu interativo está instalado no Posto de Turismo, perto do imponente Palácio da Vila, famoso pelas suas chaminés. Percorra as ruas do centro histórico, aprecie toda a beleza da Vila Velha e dirija-se ao museu.

A visita começa no elevador que nos leva até ao terceiro piso. Assim que as portas se fecham, sentimo-nos envolvidos pelo ambiente da Serra, pelo denso arvoredo e o uivar do vento. Na sala seguinte, é apresentada a história da Serra de Sintra. Segundo a lenda, o Criador reparou em cinco grandes rochas, e depois de perceber que não estavam satisfeitas por se chamarem apenas "rochas", deu-lhes um nome mais apelativo. A partir de então, seriam conhecidas por "penhas": Penha Ferrim, Penha Longa, Penha da Pena, Penha Verde e Peninha.

O áudio-guia convida-nos a relaxar no sofá para conhecermos a Lenda das Pegas num filme 3D. Quando D. Filipa de Lencastre descobriu que D. João I a traía, o povo soube da história e, para acabar com o falatório, o soberano mandou pintar bandos de pegas, aves conhecidas por palrar muito, no teto do Palácio da Vila. O objetivo era que as pegas apregoassem a sua inocência...

Num filme animado ficamos a conhecer A Lenda da Cova da Moura. Um cavaleiro cristão preso pelos árabes apaixonou-se pela filha do alcaide, Zaida. Após partir, não a esqueceu e atacou o Castelo dos Mouros para a ver. Mas foi atingido, tal como Zaida, que, ao tentar chegar até ele, morreu. O cavaleiro não aguentou o sofrimento, deitou a sua cabeça sobre a amada e morreu também. Diz a lenda que desde então, em noites de luar, junto a um penedo, uma donzela vestida de branco solta um gemido e desaparece...

Antes de Romeu e Julieta, já Sintra tinha uma lenda que antecipava as tragédias de alguns romances. A Lenda dos Dois Irmãos fala de um amor fatal. Com recurso a hologramas, é contada a história destes irmãos que, sem saberem, amavam a mesma mulher. Certo dia, um deles encontra a donzela com outro homem e, cheio de ciúmes, enfrenta-o. Acaba por atingi-lo e, ao ouvir um gemido de dor, percebe que se trata do próprio irmão e põe fim à vida. A lenda ficou eternizada com o Túmulo dos Dois Irmãos.

É talvez a parte preferida das crianças. Depois de conhecida a Lenda de Seteais, podemos tentar salvar uma princesa num jogo bem divertido. Tal como na lenda, assim que a dama solta o sétimo "Ai!", significa que morreu – e que nós perdemos o jogo...

Como não podia deixar de ser, a Quinta da Regaleira é aqui retratada, sobretudo, através do Poço Iniciático. Com nove patamares, o poço maçónico é, ainda hoje, um grande mistério. Esta introdução é um bom aperitivo para uma visita ao complexo edifício, ali bem perto, construído por António de Carvalho Monteiro, mais conhecido por "Monteiro dos Milhões".

O Adamastor, esse gigante dos mares que tanto atormentou os navegadores, também está no "Sintra Mitos e Lendas". Num túnel com uma projeção a 180º, embarcamos com a armada de Vasco da Gama e vemos como é que o grande herói dos Descobrimentos conseguiu defrontar o famigerado monstro e continuar a desbravar o Caminho Marítimo para a Índia.

Chegando ao final, conhecemos algumas criaturas que, segundo dizem os mais crentes, aparecem em Sintra nas noites de luar. E há tantos seres místicos. Um deles até se parece com o Gato de "Alice no País das Maravilhas". Com o "Sintra Mitos e Lendas" ficamos com uma boa visão panorâmica, sem sair do mesmo sítio, do imaginário único desta terra. Depois de visitar o museu, fica a vontade de conhecer de perto todos os lugares mágicos de que aqui se fala. Por isso, se tiver tempo, visite os palácios da Vila, da Pena e de Seteais, além da Quinta da Regaleira e do Castelo dos Mouros. Ou, pelo menos, embrenhe-se num passeio pela serra. E não se vá embora de Sintra sem comer uma bela queijada ou um travesseiro.