A RESIDÊNCIA REAL LÁ NO ALTO DA AJUDA

EO 2018 LisboaVisita2ª a Dom.: 10h-18hM/00€ / 5€
  • slider

O Palácio Nacional da Ajuda foi mandado erguer por D. José I no alto da colina da Ajuda. Este edifício, construído em madeira para melhor resistir a abalos sísmicos, ficou conhecido por Paço de Madeira ou Real Barraca.

Após o terramoto de 1755 e com a destruição do sumptuoso Paço da Ribeira, D. José I construiu com urgência este Paço, por ser um local com baixa sismicidade. Este novo Paço, habitável desde 1761, foi a residência da corte durante cerca de três décadas. Em 1794, no reinado de D. Maria I (1734-1816), um incêndio destruiu por completo esta habitação real e grande parte do seu valioso recheio.

Apesar de ter passado pelas mãos de vários arquitetos e com tendências arquitetónicas distintas, o projeto nunca foi concretizado integralmente. Foi com a subida ao trono de D. Luís I, que uma nova etapa se iniciou, adquirindo finalmente a verdadeira dimensão de paço real ao ser escolhido para residência oficial da corte. A partir de 1861 foram feitas obras indispensáveis na estrutura do edifício para acolher o novo monarca.

Em 1910, com a instauração da República e consequente exílio da Família Real, o Palácio foi encerrado. Depois de um período de visitas com acesso restrito, de 1940 até 1968, realizadas apenas a quem obitvesse um “cartão de autorização para visita ao Palácio Nacional da Ajuda”, abriu ao público em 20 de agosto de 1968. Desde 1996, tem vindo a proceder-se à reconstituição, tão aproximada quanto possível, desta residência real, e várias salas foram restauradas com base em rigorosa investigação histórica.

Piso Térreo
O piso térreo inicia-se com uma sequência de quatro decoradas com tapeçarias e pinturas alegóricas do início do século XIX. A partir da Sala de Música e ao longo da fachada poente, o piso térreo destinava-se aos aposentos pessoais. Introduziram-se novas dependências: Uma sala de estar – a Sala Azul, a Sala de Jantar para as refeições diárias da família e zonas de lazer como a Sala de Mármore e a de Bilhar; por fim, as casas de banho dotadas de água corrente, quente e fria.

Andar Nobre
Neste piso, dedicado às receções de gala, encontram-se a Sala do Corpo Diplomático, a Sala do Trono, a Sala D. João VI - onde se realizavam os bailes -, a Sala dos Grandes Jantares, entre outras. De caráter privado são o Ateliê de Pintura, a Biblioteca e o Quarto de Cama do Rei, criado no último ano da vida de D. Luís.

Não deixe de visitar e de conhecer este fascinante Palácio que acolheu a Família Real Portuguesa durante vários séculos!

Obs.: Entrada gratuita aos domingo, até às 14h. Também para escolas.