5 CASTELOS DE MOCHILA ÀS COSTAS

EO 2018 Especial Sugestões | Fonte: Mimosa
  • slider
  • slider
  • slider
  • slider

Andar ao ar livre e visitar castelos é sempre um bom programa para combater a tentação de ficar por casa.

Portugal, o país da Europa com as fronteiras mais antigas, tem muitos tesouros para explorar – como os castelos. É divertido visitá-los e imaginar as batalhas que ali se travaram. De norte a sul do País, eis cinco sugestões de castelos para conhecer em família. Escolha um ou mais castelos, mas lembre-se de levar na mochila uma garrafa de água e um lanche bem nutritivo para as crianças, quer decida aventurar-se de manhã ou à tarde, até porque subir às ameias requer energia. À carga!

Castelo de Guimarães
Começou por ser um mosteiro, mas os recorrentes ataques inimigos conduziram à sua transformação numa fortaleza destinada a defender os monges e fiéis cristãos que ali viviam. Mas só duzentos anos depois, com o formação do Condado Portucalense, é que o castelo de Guimarães passou a ser digno desse nome. D. Henrique e Dona Teresa, pais de Afonso Henriques, que terá nascido aqui, foram os principais responsáveis pelas grandes obras nesta estrutura arquitetónica, tornando-a maior e mais forte e fazendo dela um verdadeiro castelo. Se Portugal tem um berço, então é este.

Castelo de Santa Maria da Feira
Durante os anos 40 do século XX, foi alvo de grandes obras de restauração e recuperou o aspeto nobre e imponente de que ficou privado durante centenas de anos. Visto como um dos modelos mais notáveis da arquitetura militar da Idade Média, tem uma vasta gama de elementos defensivos que marcam esse período. Está rodeado por um majestoso parque de onde espreitam os seus torreões e é um daqueles lugares onde o peso da História se faz sentir. É fácil dar largas à imaginação neste castelo intimamente ligado à fundação de Portugal e, também por isso, de enorme importância histórica.

Castelo de Almourol
Parece saído do reino da ficção, seja de um filme fantástico ou de um livro de banda desenhada – e tudo graças à sua localização, numa pequeníssima ilha a meio de uma zona estreita do rio Tejo. O facto de o castelo só poder ser visitado de barco torna o passeio e a experiência ainda mais extraordinários. Lugar emblemático da reconquista cristã, Almourol está ligado à Ordem dos Templários que, na época, era responsável pela proteção e pelo povoamento desta região. Juntamente com os castelos de Tomar, do Zêzere e da Cardiga, formava a linha defensiva do Tejo. Extinta a Ordem dos Templários, caiu no esquecimento mas no século XIX, graças ao espírito romântico que dominou a cultura e as artes dessa altura, foi restaurado e obteve o aspeto fascinante que hoje podemos apreciar.

Castelo dos Mouros
Para os visitantes, a recordação mais intensa que fica de uma visita ao Castelo dos Mouros é a paisagem de cortar a respiração. Apesar de o monumento ser visível desde a vila de Sintra, o acesso ao interior das muralhas é feito por um caminho sinuoso, mas vale a pena o esforço. Do cimo, e se o tempo ajudar, é possível vislumbrar uma enorme extensão de terra que vai desde as encostas da serra até ao Atlântico, atravessando toda a mancha rural entre Sintra e o litoral do concelho, como é o caso da Praia das Maçãs ou do Magoito. Mas é difícil falar do Castelo dos Mouros sem falar do Palácio da Pena. Sobretudo para quem vem de longe, é quase um pecado visitar um monumento sem visitar o outro, dada a sua grande proximidade e diferentes encantos. Ambos despontam no meio do arvoredo, de penhascos pronunciados e pedregulhos colossais, e são dois dos monumentos mais emblemáticos de Portugal.

Castelo de Marvão
Outro castelo com uma vista extraordinária. Localizado no ponto mais alto da Serra de São Mamede, o castelo de Marvão abraça uma vila encantadora cercada por muralhas medievais. A vista é simplesmente maravilhosa e permite contemplar a vastidão da paisagem do Alto Alentejo. As estreitas vielas de pedra de Marvão proporcionam uma atmosfera acolhedora que contrasta com a paisagem grandiosa para o exterior. D. Afonso Henriques terá tomado esta fortificação aos mouros em 1166, na sequência da campanha iniciada com a conquista de Alcácer do Sal.

Uma sugestão Mimosa.


Advertisement