O MUNDO DO CAFÉ

EO 2017 Campo MaiorVisita de Estudo3ª a 6ª: 10h-17hM/02,5€ a 3,5€
  • slider
  • slider
  • slider
  • slider
  • slider
  • slider
  • slider
  • slider

No Centro de Ciência do Café, os alunos podem saber tudo sobre o percurso da “cereja” que crescia nos arbustos, sobre as propriedades e os benefícios desta planta! Sabia que há uma lenda relacionada com o café?

O Centro de Ciência do Café (CCC) é um espaço único na Europa e nasce no coração do Alentejo. Para ver, tocar, fazer e aprender, numa mistura de aromas, naquela que é considerada a capital do café.

Este centro de interpretação, divulgação científica e tecnológica proporciona, a quem o visita, uma viagem interativa ao mundo do café. No espaço, que pretende ser didático, cultural e científico, os visitantes encontram respostas às mais diversas questões relacionadas com o café, interagindo com equipamentos e exposições.

O projeto constitui-se como um lugar de narrativas, de histórias e saberes ancestrais, que remontam às tribos da Etiópia, aos colonos que povoaram os continentes americano, africano e asiático, aos navegadores audazes que trouxeram até nós esta bebida.

Uma coleção com mais de mil peças

A coleção é formada por peças originais: mais de mil peças em acervo, acessíveis ao público, ocupam um espaço nobre no CCC em duas áreas distintas. Ao longo dos anos, as peças reunidas passaram por um processo de conservação e de pesquisa, dando origem a um espólio que conta com moinhos, cafeteiras, torradores, máquinas e até o primeiro carro de transporte de café em Campo Maior!

De onde vem o café: a lenda de Kaldi

A palavra "café" vem do turco “khave”, que deriva do árabe “qahwah”. Apesar da sua origem incerta, aceita-se que este provém da Etiópia, de onde partiu até à Arábia, no século XVI, para se estender a todo o mundo. Atualmente são consumidos 400 biliões de chávenas de café por ano, em todo o mundo. Mas, há muito tempo, o pastor Kaldi percebeu que a “cereja” que crescia nos arbustos podia ser consumida pelo Homem.

“Um dia, ao amanhecer, nos vastos pastos férteis, Kaldi acordou da sua sesta. Estava calor e o sono não tinha sido reparador. Surpreendeu-se ao não ouvir as suas cabras, pois na noite anterior tinha-as reunido ao lado da sua cabana, e foi procurá-las.

Andou durante horas e, no final, encontrou o rebanho junto a um arbusto. Contudo, as cabras dançavam e davam saltos frenéticos que deixaram Kaldi surpreendido. O jovem pastor constatou que algumas comeram uma fruta vermelha e talvez fosse essa a razão do seu comportamento. Como estava cansado e com fome, comeu-a também.

À noite, passou por lá um monge, que na escuridão começou a ouvir sons estranhos - semelhantes ao balido de cabras e do riso humano. Quando se aproximou, pensou que sofria alucinações: um jovem pastor dançava com as suas cabras. Quando o jovem acalmou explicou a história e falou-lhe das propriedades desta planta. O monge levou algumas destas bagas para a sua mesquita para testá-las e acabou por experimentá-las. Naquela mesma noite rezou com mais fervor que nunca e ficou acordado até de madrugada.

Foi assim que, por acaso, um pastor de cabras descobriu o fruto de uma planta, que vários séculos depois é consumida por milhões de pessoas em todos o mundo: o café!”.

Marcações: 268 009 630 | Email

Preço:
Bilhete Estudante - 2,5€
Bilhete Professor - 3,5€