O MENINO QUE COLECIONAVA ESTRELAS JÁ CHEGOU ÀS FAMÍLIAS!

EO 2019 Estrelas & Ouriços na Comunidade
  • slider
  • slider
  • slider
  • slider
  • slider
  • slider
  • slider
  • slider
  • slider
  • slider
  • slider
  • slider
  • slider
  • slider
  • slider
  • slider

O dia tão aguardado chegou e voou, entre sorrisos e gargalhadas, saudações e abraços, presenças fortes, olhares cheios e laços que se estreitaram. No dia 24 de junho, “O menino que colecionava estrelas”, o primeiro livro Estrelas & Ouriços, viu a luz do dia!

O Tiago conduziu-nos a todos ao renovado Jardim da Biblioteca Palácio Galveias, e nós fomos - à procura das estrelas que ele nos prometera. E encontramos tantas: as famílias que também (as/nos) quiseram encontrar, os parceiros que acreditaram e que proporcionaram tão bons momentos às crianças, numa tarde com brincadeiras sem fim. Vimos verdadeiros cartonautas, com as suas máscaras feitas em cartão, mestres de artes circenses, princesas pintadas e animadas. A todos, um enorme obrigada!

O espaço foi pequeno para tantas emoções, mas as palavras couberam bem no que se queria transmitir. Este é um projeto de força, porque constrói pontes, mas sensível também, porque implica uma gestão e uma coordenação de ritmos: os da diferença de cada um e o de um menino especial que nos ensinou a parar.

Foi o que aconteceu no grande dia do evento. Todos os que se juntaram ao lançamento do primeiro livro Estrelas & Ouriços - "O menino que colecionava estrelas", editado pela Esfera dos Livros, - pararam para saber mais sobre a história do João, um menino que sonhava colecionar estrelas e que conseguiu alcançar várias e todas diferentes, em cada menino que avistou do cimo da montanha.

Porque (só) o relógio não parou, os oradores tomaram da palavra e cada um – por ordem: Francisco Camacho, diretor editorial da Esfera dos Livros; Rita Gíria, coordenadora do projeto Estrelas e Ouriços na Comunidade; David Rodrigues, presidente da Pró-Inclusão; Ana Maymone, ilustradora; e Joana Soares, autora – agradeceu, da sua forma, o facto de estar envolvido neste projeto.

Enquanto subiam pelos maiores elogios à envolvência da obra, a ilustradora do livro pintou numa tela, inicialmente vazia, “o valor do gesto, a grandeza do sonho e a leveza do ritmo”. Recriou, assim, aos olhos de todos os presentes, a ilustração da página que abre esta história e um dos vários desenhos que, não só suporta e acompanha o texto, como lhe dá muitos outros sentidos.

Para falar sobre diferença e aproximá-la da inclusão, a autora dá-nos imagens como a de um menino com pés teimosos, que não o deixavam andar, mas que, com olhar calmo e atento, conseguia jogar antecipando todos os remates; a do menino que insistia em fazer uma grande construção, mesmo que esta tantas vezes caísse, porque, como o sol nasce todos os dias, também ele tentava todos os dias até conseguir; e a da menina que não via, mas que rodopiava e cantava tão bem a música das sete cores do arco-íris, que conhecia, pelo toque das mãos...

Foi com algumas destas imagens que Joana Soares transmitiu ao filho Tiago (a sua grande inspiração) as cores, as texturas e os ritmos da diferença. Uma explicação que vai permitir a muitas outras mães abordarem este tema aos seus filhos, logo que lhes perguntem, tal como o Tiago fez: “por que é que eu sou diferente dos outros meninos?” ou “por que é que há meninos que são diferentes de mim?”.

Fechamos um ciclo na tarde do dia 24: criamos momentos felizes, levamos um livro com qualidade e criatividade às famílias, que o podem adquirir na livraria mais próxima, e construímos mais uma ponte entre um desejo e uma concretização. Sabemos que a viagem (com direito a futuras celebrações) ainda agora começou, mas temos a certeza de que “cada um de nós é, afinal, uma estrela” e que queremos continuar a colecionar muitas mais “todas diferentes, únicas e muito especiais!”.

Sobre as autoras

Joana Soares
Joana Ferreira Soares (Lisboa, 1981) estudou no Colégio Moderno e licenciou-se em Filosofia, na Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa. Doutorou-se em Filosofia Contemporânea com a tese sobre Loucura e Criatividade em Fernando Pessoa. É coordenadora do Núcleo de Formação ao Longo da Vida da Universidade de Lisboa onde, desde 2006, tem sido essencialmente responsável pelo ingresso do público não tradicional na universidade, numa lógica de valorização de percursos de vida e competências adquiridas nos mais diversos tipos de contexto. Esta é a sua primeira história para crianças.

Ana Maymone
Ana Maymone (Lisboa, 1982), embora seja arquiteta e designer de iluminação, é a escrever e a ilustrar que se sente mais feliz. Frequentou o curso de ilustração do CIEBA-FBAL, desenvolve oficinas criativas para famílias e lançou este ano o projeto Casa Marciana, incentivada pela sobrinha, que acredita que a tia Ana vem de outro planeta. Este é o seu primeiro livro.

Estrelas e Ouriços na Comunidade
Em 2017, na sequência de ter recebido o Prémio Cinco Estrelas na categoria de “Roteiros de Atividades para Crianças”, o Estrelas e Ouriços decidiu apoiar cinco projetos na comunidade pensados para as crianças. A ideia de promover a edição de um livro, que pudéssemos partilhar com as familiais, surgiu logo no início do ano e, desde então, trabalhámos para juntar todos os ingredientes. Uma história bonita, que pudesse contribuir para abordar o tema da diferença, um traço capaz de ilustrar a força e a simplicidade das palavras, uma editora que acreditasse tanto quanto todos os intervenientes que este projeto faz sentido. Trabalhamos para fazer pontes e unir desejos a concretizações. Para soltar sorrisos, para realizar sonhos e para criar memórias felizes.


Com o apoio: