EXPOSIÇÃO DE JOANA VASCONCELOS EM SERRALVES

EO 2019 PortoExp. TemporáriaAté 24 Jun., 2ª a 6ª: 10h-18h; Sáb., Dom., Fer.: 10h-19hM/012€
  • slider
  • slider
  • slider

Serralves, em parceria com o Museo Guggenheim Bilbao, apresenta entre 19 de fevereiro e 24 de junho "I’m Your Mirror", uma retrospetiva da obra de Joana Vasconcelos que assinala o seu regresso ao Museu onde expôs em 2000.

Esta exposição antológica de uma das mais reconhecidas artistas contemporâneas tem como título uma homenagem a Nico, cantora alemã celebrizada pela música “I'll be your mirror”, da banda Velvet Underground. A mostra reúne mais de trinta trabalhos produzidos entre 1997 e a atualidade.

Além de algumas das mais icónicas obras de Vasconcelos — como Cama Valium (1998), A noiva (2001 – 05), Burka (2002), Coração independente vermelho (2005), Marilyn (2011) e Lilicoptère (2012) —, a exposição inclui peças especificamente criadas para esta mostra — caso de Finisterra, I’ll Be Your Mirror e Solitário (todas de 2018). A exposição estende-se até aos jardins do Parque de Serralves através de monumentais esculturas de exterior.

Entrelaçando referências à cultura popular portuguesa com alusões à história da arte, a produção artística de Joana Vasconcelos aborda, com um desarmante sentido de humor, questões tão sérias quanto a exploração das mulheres, as migrações e os impactos do colonialismo.

O processo criativo de Joana Vasconcelos assenta na apropriação, descontextualização e subversão de objetos pré-existentes e realidades do quotidiano. Esculturas e instalações, reveladoras de um agudo sentido de escala e domínio da cor, assim como o recurso à performance e aos registos vídeo ou fotográfico, contribuem para a materialização de conceitos desafiadores das rotinas programadas do quotidiano.

Partindo de engenhosas operações de deslocação, reminiscência do ready-made e das gramáticas nouveau realiste e pop, a artista oferece-nos uma visão cúmplice, mas simultaneamente crítica, da sociedade contemporânea e dos vários aspetos que compõem a identidade coletiva, apontando com especial acutilância para o estatuto da mulher, diferenciação classista, ou identidade nacional. Resulta desta estratégia um discurso atento às idiossincrasias contemporâneas, onde a dicotomia artesanal/industrial, privado/público, tradição/modernidade e cultura popular/cultura erudita surgem investidas de afinidades aptas a renovar os habituais fluxos de significação característicos da contemporaneidade.

Fotografias: @Luis Vasconcelos

FUNDAÇÃO DE SERRALVES

Rua Dom João de Castro, 210 - Porto

Tel: 226 156 500

Adicionar ao calendário
Imprimir
Gostos 0

404 visualizações

Até 24 jun., 2ª a 6ª: 10h-18h; sáb., dom., fer.: 10h-19h